quarta-feira, 5 de julho de 2017

Hoje é dia


Já são 35 anos brigando com esta data. Não aceitando. 
Quem acompanha esse espaço e minha vida sabe que sempre neste dia eu relembro o “Desastre de Sarriá”, quando o futebol bonito perdeu uma de suas mais épicas batalhas: Barcelona, 1982, estádio Sarriá, quartas de final da Copa do Mundo em que a Seleção Canarinho voava e encantava o mundo da bola, jogo decisivo contra a Itália e três gols de Paolo Rossi fizeram meu mundo ruir pra sempre…

Percebe-se que ainda não sei lidar com esse resultado e olha que a dor de ver o meu amado Coritiba perder duas Copas do Brasil seguidas e, em casa, me causam transtornos mentais gigantes até hoje, mas acontece. 

Já o timaço de Telê Santana perder aquele jogo contra a Itália não. Não poderia.
Não deveria ter acontecido.
Porque o futebol ficou mais feio, mais pragmático, porque veio a praga do líbero, dos volantes brucutus, do jogar pelo resultado…
Todos Perdemos naquele 3 a 2.


Mas hoje é dia de reverenciar Waldir Peres; Júnior, Luisinho, Oscar e Leandro; Cerezo e Falcão; Éder, Zico e Sócrates; Serginho. Uma Seleção maravilhosa que tinha ainda o nosso Dirceuzinho, o Dinamite, o Batista…

Hoje é dia de achar que o mundo podia ser diferente, de pensar que poderíamos ter ganho aquela partida da Itália e, quem sabe, até ter vencido uma Copa do Brasil…
Hoje é dia de ver o documentário do meu querido Dudu Magnani na ESPN.