sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Parque Bom Retiro



Há exatos 5 anos, em 08/12/2012, caíam as paredes do Hospital Bom Retiro.

Escavadeiras e tratores puseram abaixo, em apenas uma manhã, aquilo que esteve de pé por quase 70 anos.

Foi uma demolição INESCRUPULOSA, INDIGNA e IMORAL.

O complexo filantrópico fora construído ao longo de quase 20 anos de esforços comunitários e doações de inúmeras generosas almas curitibanas - simbolizadas na ação prática de Lins de Vasconcelos (1891-1952) que, sozinho, doou UM MILHÃO DE DÓLARES para a conclusão das obras. Tudo foi demolido num sábado de manhã, às pressas, com inúmeros conteúdos preciosos em seu interior, como móveis, utensílios, elementos decorativos em madeira de lei e - pasme-se - até mesmo prontuários de pacientes (que deveriam ter ficado sob a guarda legal da FEP por muitos anos mais).

Ao final do dia, tudo estava arrebentado e misturado em uma grotesca pilha de escombros, para espanto de toda a cidade de Curitiba.

Causa perplexidade que a decisão de conceder alvará de demolição pela gestão Ducci não tenha sido objeto de investigação CRIMINAL.

Afinal, a decisão da CAPC - Comissão de Avaliação do Patrimônio Cultural de Curitiba de não realizar o tombamento histórico do complexo arquitetônico contrariou parereceres EXPRESSOS da Fundação Cultural de Curitiba e do IPPUC no sentido de PRESERVAR as edificações.

E tal decisão (de demolir) foi tomada meros TRÊS DIAS depois de uma solicitação de reavaliação do caso pela Secretaria de Urbanismo de Ducci. Como se não bastasse, o alvará de demolição foi expedido 24 horas depois da decisão, sabotando uma reação dos cidadãos que já se anunciava nos jornais e blogs da época ou por meio do Ministério Público (que também estava de olho nos rumores de demolição).

É um encadeamento de atos que, lamentavelmente, tem toda a aparência de um JOGO DE CARTAS MARCADAS.

Embora o pedido de alvará tenha sido formalmente solicitado em nome da FEP, todos os trâmites (protocolo, retirada do alvará etc.) foram feitos pela Invespark e quando a demolição ocorreu, o ANGELONI já havia comprado desta última 1/3 da área, às escondidas, em documentos particulares. O hipermercado não pode se afirmar "terceiro de boa-fé". Não é!

Poucas semanas antes do prédio vir abaixo, foi o túmulo de Lins de Vasconcelos que foi VIOLADO e DESMANCHADO, com o ofensivo traslado de seus restos mortais para uma chácara em Balsa Nova. Como se fosse um estorvo (sic) a impedir a eclosão de vulgares desenvolvimentos imobiliários num local que foi concebido patra a FILANTROPIA - e nada mais. Um insulto final à memória daquele que TANTO (aliás: TUDO) deu para a FEP e, num telegrama de 1952 veiculando sua ÚLTIMA VONTADE, apenas pediu à entidade UMA coisa em troca: que sua carcaça fossem sepultada no Sanatório, após seu desencarne. Vontade que foi respeitada pela palavra honrada de Abibe Isfer, João Ghignone e outras pessoas sérias da FEP. Mas que os abutres que vieram depois não mantiveram...

A demolição do Hospital Bom Retiro é um dos casos emblemáticos de DESRESPEITO ao patrimônio histórico e cultural (material e imaterial) curitibano. Ela certamente é atribuível às más-práticas de urbanismo que desfiguraram e seguem desfigurando a cidade de Curitiba com shoppings, hipermercados, espigões e asfalto, para o ganho de alguns poucos e em detrimento do bem comum. Essa história - que inclui casos como o da Fábrica da Matte Leão, o prédio no Castelo do Batel e outros tantos - ainda está por ser escrita, talvez até nas páginas dos cadernos policiais.

Hoje, essa demolição completa cinco anos. Há cinco anos a memória urbanística e imaterial deste espaço para incontáveis curitibanos foi despedaçada. Mas ALGO AINDA MAIS GRAVE está para acontecer:

Estamos às vésperas do FATIAMENTO da área pelo Prefeito Rafael Greca, que logo trará a público - certamente com pompa - o anúncio de que "conseguiu diminuir" o escandaloso hipermercado licenciado ÁS ESCONDIDAS pelo seu lamentável antecessor. A diminuição será anunciada não porque Greca tenha sido corajoso, ao contrário: porque assim como Ducci e Fruet, o atual prefeito escolheu SERVIR o Angeloni e os interesses daqueles que destruíram este valioso patrimônio. Ao invés de ROMPER UM CICLO, o Prefeito opta por CONTINUA-LO, estendendo um tapete de asfalto para um hipermercado que julga "inevitável" e que, como um Pilatos pós-moderno lavando as mãos, "coloca na conta" de seus antecessores.

Onde você estava em 08/12/2012? Alguns deste movimento já estavam pedindo a preservação do prédio, mal sabendo que a Prefeitura de Ducci (e depois da de Fruet) os trairia. Outros de nós estavam envolvidos em outras causas, tão importantes quanto. Outros nem sabiam que isso estava acontecendo - e os TRAÍRAS da burocracia municipal certamente se aproveitaram dessa dispersão dos cidadãos. Jornais tentaram fazer sua parte, mas as jogadas de tapetão nos intestinos do poder público, nas últimas semanas de 2012, acabaram vencendo.

Cinco anos depois, vamos deixar acontecer de novo? Não!

Ainda há tempo para fazer Rafael Greca mudar de idéia e (a) suspender o licenciamento do Angeloni e (b) cancelar defintiivamente o projeto,(c) criando o#ParqueBomRetiro, na INTEGRALIDADE da área, sem mercado no meio.

6.500 curitibanos já pedem isso formalmente e por escrito. Já temos outras 1.500 assinaturas para protocolar - completando 8.000 cidadãos que pedem PARQUE INTEIRO, SEM MERCADO NO MEIO. A meta é chegar a 12.000 assinaturas na virada do ano.

Mas para que a pressão siga crescendo, precisamos de PRESENÇA FÍSICA em nosso eventos aos domingos. À beira do selvagem binário, marcando posição, domingo após domingo, em números que precisam ser CRESCENTES. Ou não teremos chance! Os adversários do parque contam com o enfraquecimento do movimento ao longo do tempo; vamos mostrar a eles que estão redondamente enganados?

Este domingo 10/12/2017 das 10:30 às 14:00 faremos o ato simbólico que marca os cinco anos de demolição. O ato se inicia com uma grande Feira de Troca de Brinquedos, de cunho natalino, para as crianças de TODA a cidade. E, às 13:00, faremos um ABRAÇÃO do parque. ABRAÇÃO significa MUITA GENTE. Portanto, estaremos te esperando para AUMENTAR ESSE ABRAÇO. Venha!

#AquiNãoAngeloni
#AcordaRafael