quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Me and myself

 “Há um mínimo de dignidade que não se pode negociar, nem mesmo em troca do sol, nem mesmo em troca da liberdade”, escreveu Dias Gomes, na peça O Santo Inquérito. 
Me lembro disso nesses dias de amnésia política e cegueira da sociedade diante dos desmandos e que na verdade são cúmplices desse golpe que parece não ter escrúpulos e nem fim.
E aí recorro ao poeta português Sidónio Muralha, que morreu em Curitiba, para voltar a mim mesmo e saber que eu sou: "Parar não paro, esquecer não esqueço. Se caráter custa caro, pago o preço".