quarta-feira, 14 de novembro de 2018

O Fim do Mais Médicos em atos



"Os médicos cubanos trabalham em locais rejeitados pelos brabos brasileiros patriotas "
A remuneração dos cubanos sempre foi uma pauta controversa, já que os profissionais são contratados como parte de um acordo entre Havana e a Opas. A questão em aberto e mais delicada é como será a transição no atendimento. Os médicos cubanos estão alocados em vagas rejeitadas pelos brasileiros

via Maly Messo e El País


Ponta Grossa votou em massa no 17. Dos 80 médicos que trabalham nos postos de saúde do município, 60 deles são cubanos e estão indo embora. Os Ponta-grossenses não precisam se preocupar, dia primeiro de janeiro o Presidente que eles elegeram vai dar um jeito nisso aí.

Via Maringas Maciel


Pra vocês terem uma ideia do impacto da saída de Cuba do Mais Médicos.
Em sua conta no Twitter, Bolsonaro acusou o governo cubano de irresponsabilidade por não se preocupar com a saúde dos brasileiros.
Alguém avisa aquele fascista imbecil que o presidente eleito é ele, e não o Miguel Díaz-Canel:
***
“Dados sobre o *Fim* da Cooperação com a OPAS e Cuba no *Programa Mais Médicos*:
- de uma só vez, sairão mais de *8.500 médicos cubanos* dos locais onde estão hoje trabalhando.
- eles estão em *2.885 municípios do país*, sendo a maioria nas áreas mais vulneráveis: Norte do país, semiárido nordestino, cidades com baixo IDH, saúde indígena, periferias de grandes centros urbanos.
- *1.575 municípios* só possuem médicos cubanos do Programa, sendo que 80% desses municípios são pequenos (menos de 20 mil habitantes) e localizados em regiões vulneráveis.
- existem *300 médicos cubanos* atuando nas aldeias indígenas. Isso é *75% dos médicos que atuam na saúde indígena* do país.
- os locais onde os cubanos atuam foram oferecidos antes a médicos brasileiros, que *não* aceitaram trabalhar.
- sobre a substituição dos cubanos por médicos brasileiros: em 5 anos de Programa, *nenhum* edital de contratação de médicos brasileiros conseguiu contratar essa quantidade de profissionais. O maior edital contratou 3 mil brasileiros.”

Via Clovis Gruner